Filósofa discute a verdade sem representação

Autora: Keliane Vale – DRT n.436/TO

A filósofa pela Universidade Federal do Pará, Maria dos Remédios de Brito, discute no artigo intitulado “A Verdade Sem Representação”, a ser publicado na edição n. 1, de 2018, da Revista Observatório, o conceito de verdade e pontua motivações que levam o temor ao ficcional. A autora é professora da Universidade Federal do Pará, com mestrado e doutorado em Filosofia da Educação pela Universidade Metodista de Piracicaba (UNIMEP), e pós-doutora em Filosofia da Educação pela Universidade Estadual de Campinas.

Maria dos Remédios traz inicialmente em seu artigo a verdade como
tradição. Segundo ela, “a concepção de ‘Verdade’ posta pela tradição produz oposições entre verdadeiro e falso, aparência e essência”, introduz a autora. A ideia central do artigo estabelece em Nietzsche a crítica na dicotomia metafísica verdade e aparência, a partir do conceito de ‘vontade de verdade’ ou ‘instinto de verdade’.
No artigo, a autora coloca o pensamento de Nietzsche que a inverdade, a aparência, o falso, o ilusório fazem parte da existência humana, mas a vaidade e seus interesses impulsionam o homem para uma crença numa existência, ou em um conhecimento verdadeiro. Então, a existência social produz a necessidade para uma ‘vontade de verdade’ estando ligada ao próprio meio de viver culturalmente.
ISSN nº 2447-4266 Vol. 4, n. 1, Janeiro-Março. 2018
A autora problematiza como a busca pela verdade, por meio da lógica, termina negligenciando a força, a criatividade com
que o homem poderia apreender a vida no que há de belo e no que há de assustador na existência, assim como no que há de ilógico e enganoso. Para ella, a vontade desenfreada pela verdade, pelo conhecimento, pelo saber verdadeiro edifica uma vida em
que o corpo é confiscado pela racionalidade exacerbada e definha a vida junto com seu poder criador. O convite no artigo é para reabilitar a arte, a ilusão, a aparência e dizer sim à vida e se contrapor a todo tipo de hipertrofia existencial. Como Maria dos
Remédios esclarece na proposta, é no sentido extram oral que Nietzsche liga vontade, instinto de verdade, de conhecimento e até
mesmo de ilusão, na tentativa de despontar que o homem também necessita da não verdade, do não saber. Com isso, o sentido extramoral solicita uma perspectiva artística. Ao fim, a autora fala de como arte e ciência se diferenciam para Nietzsche. Segundo o filósofo a arte é uma força criadora da existência, que pode permitir ao homem o esquecimento da tirania do pensar lógico formal e abrir caminho para um saber, um conhecimento que tenha ligações com a vida e com a existência. A ideia central do artigo, nesse suposto conflito trazido pela autora, é que a vida é ficção ou mesmo ilusão e, então, assume o valor supremo eirredutível. “Com isso, não caberia pensar a verdade como representação, visto que essa imagem traz à vista todos os processos dogmáticos, aniquiladores da vida e do homem”, como sintetizou a autora no título do artigo.
Como citar a pesquisa
BRITO, Maria dos Remédios de. A VERDADE SEM REPRESENTAÇÃO. Revista Observatório, Palmas, v. 4, n. 1, p. 42-55, jan. 2018. ISSN 2447-4266. Disponível em: <https://sistemas.uft.edu.br/periodicos/index.php/observatorio/artle/view/4273>. Acesso em: (data do acesso). doi: https://doi.org/10.20873/uft.2447-4266.2018v4n1p42.

Programa promove oficina de videorreportagem em escola pública

Usar a produção de videorreportagens sobre temas da vida escolar para ensinar sobre a construção da notícia. Este é um dos objetivos da oficina Pocket Reportagem: um olhar crítico sobre a vida na escola, iniciada nesta segunda-feira (24), no Centro de Ensino Médio Castro Alves, em Palmas. A ação é do programa Escola Livre de Jornalismo, do Observatório de Pesquisa Aplicada ao Jornalismo e ao Ensino (Opaje) da Universidade Federal do Tocantins.

Segundo integrantes do programa, em quatro encontros quinzenais, estudantes do primeiro ano do Ensino Médio terão contato com conteúdos teóricos e práticos sobre a produção da notícia e, ao final, produzirão vídeos que comporão uma mostra. A aluna Stefani Brito, de 15 anos, é uma das participantes. Ela ressaltou que gostou do primeiro encontro e que a forma como a câmera é posicionada e a escolha do que será filmado foi o que mais lhe chamou a atenção. “Temos que filmar não só aquilo que é bonito, temos que mostrar a realidade”, disse aos integrantes do programa.

Jonas Pereira Lima, professor de Língua Portuguesa que vai acompanhar a oficina, frisou que o diálogo Escola e Universidade promove a troca de novos conhecimentos, pontuando como positiva a iniciativa. “A didática da oficina vai facilitar e incentivar os alunos a produzirem reportagens inusitadas em que os eles serão participantes, criadores e produtores das reportagens. Nessa perspectiva, o ensino está oferecendo oportunidade de o aluno se tornar um cidadão mais inteirado com a realidade do mundo e a exercendo seu papel social de formar para a vida”, comentou o professor.

Para o coordenador do Opaje, professor Gilson Pôrto Junior, a atividade aproxima a universidade da comunidade, de forma inovadora. “O Programa Escola Livre de Jornalismo permite que pós-graduandos se insiram nas escolas e agreguem valor à formação dos jovens”, destacou. A oficina de Pocket Reportagem foi ministrada em 2016 na Escola de Tempo Integral Olga Benário, também na capital. Outras oficinas, também da Escola Livre de Jornalismo, sobre cinema, radiojornalismo, jornal mural, fotografia e meio ambiente estão em execução em escolas públicas da Capital e em Gurupi. A atividade também é resultado da parceria entre a Escola Livre de Jornalismo e do projeto Cinema, Educação e Direitos Humanos, parceria entre UFT e Universidade Federal Fluminense. (Com informações de Rafaela Mazzola)

Congresso Internacional de Comunicação, Inovação e Tecnologia.

O evento foi realizado pelo Programa de Pós-graduação em Comunicação e Sociedade (PGCom), o Observatório de Pesquisas Aplicadas ao Jornalismo e ao Ensino (Opaje), Sindicato dos Jornalistas do Estado do Tocantins (Sindjor) e o Senac Palmas, reunindo o II Seminário Internacional OPAJE, II Encontro SENAC de Tecnologia e Inovação, II Jornada do Programa de Pós-graduação em Comunicação e Sociedade – PPGCom e o I Encontro de Editores Científicos do Tocantins.